....... ...... ...... ..... As Boas vindas a todos os bichos do P@nt@no ....... ...... ...... .....

15/10/2014

Invisivel

A luz é ténue e fria, o som do vento faz lembrar o uivo de uma alcateia, este frio que se faz sentir dá vontade de aconchegar a gola do casaco na busca de conservar a temperatura corporal. As folhas agora de cores variadas numa mistura que vai do vermelho, amarelo e morre num castanho-escuro e enrugado, esse enrugado que parece a sua alma torturada ao longo estes últimos anos, num percurso nem sempre fácil mas cravado de acontecimentos que o mudaram ate se tornar no que hoje vagueia nessas ruas.
Invisível aos olhares e inexistente ao pensamento ou sentimento vagueias em busca de um pouco de conforto e calor, algo que já há muito esqueceste o que era, o conforto do tecto ou o calor dos braços e das palavras, agora tão distantes como uma história narrada num livro qualquer.
Essa falta inexplicável que te impele.... Que te obriga a abrir os olhos e caminhar será o teu tormento, o teu objetivo, o teu sonho, impedindo que te deixes vencer pela cruel verdade, e quando esta chegar ao teu corpo e à tua mente, irá te atirar de volta ao útero que te protegeu durante a tua primeira existência, diante do teu túmulo e te contrais com os joelhos no peito e o corpo de lado deitado, inspiras pela ultima vez o o noturno ar e sentes esse solo gelado, onde o teu corpo repousa.......
Abraças a verdade e percorres o teu último trajeto com o alívio de saber que agora tudo acaba e nada mais te pode tocar. Finalmente pode descansar e ser um só com o nada.